Quarta-feira, 19 de Janeiro de 2011
Metro Mondego defendido em tertúlia por Ana Paula Vitorino

  

Participei ontem no Café Trianon, na primeira tertúlia de homenagem a Fausto Correia. A convidada foi a deputada socialista Ana Paula Vitorino, que já exerceu as funções de Secretária de Estado dos Transportes, e o tema foi “Sistema de Mobilidade do Mondego”.

A sala foi pequena, mas o debate foi longo e interessante. Tal como em 2006, também agora Paula Vitorino continua a defender o projecto do Metro Mondego. Depois de fazer um historial de toda esta proposta de mobilidade para Coimbra, Lousã e Miranda do Corvo, afirmou que não estamos a falar duma “obra nova” e que a sua continuação “é uma questão de justiça”.

Já na parte final da tertúlia, Ana Paula Vitorino informou que, ela própria, Horácio Antunes e outros deputados eleitos por Coimbra, entregaram na Assembleia da República um projecto de resolução que visa assegurar “todas as empreitadas já adjudicadas, bem como as necessárias à introdução do serviço ferroviário da Lousã e, assim que estejam reunidas as condições económico financeiras necessárias que se continue o resto do projecto”. Informou ainda que os subscritores deste projecto recomendam que o Governo “reafirme a prioridade que atribui ao SMM, designadamente à instalação de um metro ferroviário ligeiro, no canal do antigo ramal da Lousã”.

Agora, resta-nos aguardar para ver como vão votar os deputados à Assembleia da República, em especial os eleitos pelo círculo de Coimbra, em relação a este e a todos os projectos de resolução que estão hoje em votação, em relação ao “Sistema de Mobilidade do Mondego”.

Uma última palavra vai para André Oliveira e Carlos Cidade, presidentes da JS e do PS de Coimbra, a quem felicito por esta iniciativa e pelo seu sucesso.   

 



publicado por José Soares às 16:48
link do post | favorito

Quinta-feira, 6 de Maio de 2010
Valores de Fausto Correia enaltecidos por António Costa

(Para ler clique na imagem)

 



publicado por José Soares às 14:06
link do post | favorito

Quarta-feira, 28 de Abril de 2010
Valores de Fausto Correia enaltecidos por António Costa

O presidente da Câmara Municipal de Lisboa, António Costa, enalteceu os valores do serviço à causa pública, amizade e tolerância, cultivados por Fausto Correia, que foi homenageado, hoje, a título póstumo, na capital, por ocasião do 11º. aniversário da primeira Loja do Cidadão.

O autarca, que privou com Correia enquanto dirigentes do PS, membros dos governos liderados por António Guterres e eurodeputados, louvou o “espírito visionário” do secretário de Estado da Administração Pública no XIII Executivo.

O conceito das lojas do cidadão, concebidas para proporcionarem ao público diversas respostas no mesmo espaço de atendimento, veio do Brasil pela mão do outrora governante.

A evocação, materializada pela Agência para a Modernização Administrativa, brotou de uma deliberação aprovada unanimemente pela Câmara de Lisboa a partir de uma proposta do vereador Pedro Santana Lopes.

O ministro da Presidência, Pedro Silva Pereira, também presente na cerimónia, destacou a vocação de serviço público de que o homenageado era portador.

Assistiram ainda ao acto a viúva de Fausto, Lurdes Correia; a secretária de Estado da Modernização Administrativa, Maria Manuel Leitão Marques; o secretário de Estado Paulo Campos; os governadores civis de Coimbra e Lisboa, Henrique Fernandes e António Galamba, respectivamente; o deputado à Assembleia da República Victor Baptista; os ex-governantes Arnaldo Silva e António Campos; o gestor Carlos Beja e Carlos Mamede, vice-presidente da Administração da Fundação INATEL. O deputado António José Seguro enviou uma mensagem.

Membros dos gabinetes de Fausto (Gracinda Santos, Carla Gisela, Rui Daniel, Humberto Lobo e Lurdes Paz) também se associaram à homenagem.

Fausto Correia, jurista, antigo administrador da RDP e da Agência Lusa, outrora presidente da Académica/OAF e vice-presidente da Câmara conimbricense, faleceu, em Outubro de 2007, com 55 anos de idade, quando exercia a função de deputado do PS ao Parlamento Europeu. No segundo Governo de Guterres, foi secretário de Estado dos Assuntos Parlamentares e secretário de Estado adjunto do primeiro-ministro.

 

In: Jornal Online “Campeão das Províncias” – 27-04-2010

 



publicado por José Soares às 15:51
link do post | favorito

Quinta-feira, 22 de Abril de 2010
Fausto Correia vai ser homenageado em Lisboa

Criador da Loja do Cidadão

 

Reconhecimento a título póstumo

 

Fausto Correia vai ser homenageado, na próxima semana, em Lisboa, a título póstumo, por iniciativa da secretária de Estado da Modernização Administrativa, Maria Manuel Leitão Marques, quando se assinala o 11º. aniversário da primeira Loja do Cidadão, soube o “Campeão”.

O conceito foi trazido do Brasil pelo outrora governante (secretário de Estado da Administração Pública no primeiro Executivo de António Guterres).

As lojas, concebidas para proporcionarem ao público diversas respostas no mesmo

espaço de atendimento, funcionam, hoje em dia, em Lisboa, Porto, Coimbra, Cantanhede, Águeda, Aveiro, Braga, Borba, Esmoriz, Faro, Freixo de Espada à Cinta, Murça, Odivelas, Resende, Setúbal, Tavira, Vimioso, Viseu, Açores e Madeira. Há ainda postos de atendimento em vários outros pontos do país.

Tal como o ex-secretário de Estado, Maria Manuel está ligada a Coimbra, tendo leccionado na Faculdade de Economia antes de ingressar no Governo.

Fausto Correia, jurista, antigo administrador da RDP e da Agência Lusa, outrora presidente da Académica/OAF e vice-presidente da Câmara conimbricense, faleceu,

em Outubro de 2007, com 55 anos de idade, quando exercia a função de deputado do PS ao Parlamento Europeu. No segundo Governo de Guterres, foi secretário de Estado dos Assuntos Parlamentares e secretário de Estado adjunto do primeiro-ministro.

 

In: Jornal “CAMPEÃO DAS PROVÍNCIAS” – 22-04-2010

 



publicado por José Soares às 11:37
link do post | favorito

Quinta-feira, 1 de Abril de 2010
Fausto Correia

 

Busto prestes a regressar à sede do PS/Coimbra

 

 

A memória de Fausto Correia voltará a ser perpetuada, em breve, na sede de Coimbra do Partido Socialista, disse ao “Campeão” Victor Baptista, que, todavia, se escusou a esclarecer o motivo por que foi dali retirado um busto do antigo governante.

Segundo fontes partidárias, a razão do levantamento do busto terá sido a falta parcial de pagamento ao escultor Alves André, que também declina pronunciar-se sobre o assunto.

Um busto de Fausto Correia foi descerrado na rua de Oliveira Matos a 19 de Julho de 2008, por ocasião do “Dia da Federação”, mas foi retirado volvidos alguns meses.

Interpelado pelo “Campeão”, Victor Baptista garantiu, na semana passada, que a memória do ex-governante voltará, em breve, a ser perpetuada na sede do PS/Coimbra.

Proceder-se-á à reposição do busto assim que forem concluídas as obras em curso na rua de Oliveira Matos, garantiu o presidente da Federação distrital.

Falecido em Outubro de 2007, quando exercia o cargo de deputado ao Parlamento Europeu, Fausto Correia foi dirigente socialista enquanto líder distrital e membro do Secretariado Nacional, secretário de Estado, vice-presidente da Câmara Municipal de Coimbra e presidente da Académica/OAF.

 

 

In: Jornal “Campeão das Províncias” – 01-04-2010

 



publicado por José Soares às 17:00
link do post | favorito

Quinta-feira, 25 de Fevereiro de 2010
A LUSA e Fausto Correia

O Grupo da CDU manifestou-se ontem (na Assembleia Municipal de Coimbra) preocupado com “a intenção de encerramento da delegação da Agência Lusa em Coimbra”. O presidente Carlos Encarnação evocou Fausto Correia que concerteza iria “protestar” contra esta decisão.

 
In: Jornal “Diário As Beiras” – 25-02-2010


publicado por José Soares às 12:44
link do post | favorito

Sábado, 13 de Fevereiro de 2010
PS de Coimbra não recuperou da morte de Fausto

ANTÓNIO ALMEIDA SANTOS

Foto Diário As Beiras

 

 

P - Coimbra é a terceira cidade do país?

R - Como matriz cultural, é capaz de ser. Mas, noutros aspectos, Coimbra tem-se apagado perante Aveiro e algumas cidades com ensino superior.


P - Que razões encontra para essa situação?

R - Por exemplo, Coimbra era conhecida pela sua indústria têxtil. Teve outras indústrias, mas acabou por perder quase tudo. A falta de afirmação do ponto de vista económico leva a que, por acréscimo, outras situações vão em conjunto.


P - A falta de importância acontece também no domínio político?

R - Sabe que, antigamente, o recrutamento de políticos era feito à base de professores universitários de Coimbra. Isso acontecia porque Coimbra tinha a única universidade do país. Hoje em dia, há universidades espalhadas por quase todo o país. Ter uma universidade deixou de ser um privilégio raro de Coimbra usufruiu durante séculos.


P - Viveu, então, à sombra da torre ...

R - É verdade. A Universidade de Coimbra ainda tem um prestígio em termos de contactos internacionais que mais nenhuma instituição tem. E, ultimamente, tem tentado reforçar este prestígio. Até em consequência das conclusões de Bolonha, onde Coimbra vai à frente em algumas áreas. A investigação científica é um bom exemplo. Mas noutras não. Uma coisa não perdeu: a sua mística.


P - Isso é bom ou mau para a cidade?

R - Coimbra viveu sempre muito centrada na sua universidade. Parte da população ou era constituída por estudantes ou por pessoas que viviam em função dos estudantes. Há uma centralidade que não existe em mais nenhuma cidade com ensino superior do país. Como tal, penso que Coimbra não tinha condições para ter outra fonte de desenvolvimento que não fosse esta. Ou seja, ao provincianismo, a cidade respondeu sempre com a sua universidade. Posso mesmo dizer que a universidade emancipou Coimbra do seu provincianismo.


P - Que opinião tem sobre o actual fado de Coimbra?

R - Acho que as guitarras mudaram muito. E para melhor. Desde logo porque, no meu tempo, nós não sabía- mos música. Já os cantores é que não. Nem sempre nascem vozes fulgurantes como as dos anos 50 e 60. Não nos podemos esquecer que estamos actualmente a falar de vozes de microfone.


P - Também ele tem vindo a perder importância?

R - Perdeu importância relativa. Muito por culpa da evolução do fado de Lisboa. Neste momento, o fado de Lisboa tem excelentes executantes. Quer na guitarra, quer nas vozes.


P - Continua a acompanhar os jogos da sua Académica?

R - Todos da mesma forma: apaixonadamente. E posso-lhe dizer que ainda vibro com as suas vitórias.


P - Como antigo dirigente da Briosa, que comentário lhe merece o processo judicial do presidente?

R - Todos os cidadãos têm o direito à presunção de inocência. Para além disso, a minha convicção é que José Eduardo Simões é um homem sério. E um bom presidente.

P - Trabalhar com ele foi difícil?

R - Primeiro que tudo, José Eduardo Simões é um homem competente e capaz. Às vezes, um bocado duro no contacto com as pessoas. Isso criou-lhe alguma antipatia no exterior. Mas volto a repetir: é um homem competente. A prova disso é que lá tem mantido o clube na Liga e com uma boa gestão financeira. O que, para mim, também é importante. Vamos ver o que dá o julgamento.


P - Acha que os tempos actuais são de macrocefalia de serviços em Lisboa o que pode levar à desertificação do interior?

R - Julgo que não tem havido um aumento da desertificação do interior. Sinónimo disso mesmo é o trabalho desenvolvido pelo poder local nessas localidades. Existem mesmo cidades e vilas onde se vive melhor do que em Lisboa.

P - Que visão tem hoje da cidade de Coimbra?

R - Não chego a ter bem o pulso da cidade, porque não vivo a Coimbra dos cafés e dos convívios. Mas acho que Coimbra continua bonita. O pior tem sido mesmo a menor progressão em termos populacionais e a falta de comércio e indústria. Tenho pena que não tenha o êxito que tem, por exemplo, Aveiro. Considero mesmo que o tempo actual não é favorável a Coimbra.


P - De que forma isso pode ser invertido?

R - A universidade tem aqui um papel fundamental. É a ela que cabe o papel principal de tornar a cidade universal e não provincializá-la. Se isso não acontecer, tenho pena do que vou dizer: não há nada que a salve.


P - Acha que o PS Coimbra já recuperou da perda de Fausto Correia?

R - É uma perda irreparável para Coimbra e para o país. Quando faleceu, o PS da cidade perdeu a oportunidade de triunfar ao nível autárquico. A prova de que não conseguiu recuperar é que, nas últimas autárquicas, o PS perdeu as eleições.


P - Que balanço faz sobre a actual liderança autárquica da cidade?

R - Acho que o dr. Carlos Encarnação tem qualidades humanas excelentes. Politicamente, tem o defeito de não ser do PS. Um defeito que, com certeza, nunca mais será corrigido.


P - Que leitura faz da candidatura de Manuel Alegre à Presidência da República?

R - É uma represe. Manuel Alegre já se tinha candidatado. Nessa altura, ele apresentou--se contra uma candidatura protagonizada por Mário Soares. Agora, não. Apresenta-se de pleno direito e com plena liberdade de o fazer.


P - Acha, então, que o PS o deve apoiar?

R - Toda a gente tem a liberdade de o fazer, menos eu, porque sou o presidente do partido. Se o fizesse, quase que estava a dar uma indicação do que eu entendo que deve fazer o partido. Só o farei no órgão competente do partido.


P - A sua candidatura não é uma maneira de forçar o apoio do partido?

R - Eu não sei se forçar é a palavra mais correcta. Mas a ideia é essa. O que é certo é que a questão está colocada e o PS, mais tarde ou mais cedo, terá de se pronunciar sobre a questão. O que acontecerá depois da questão do Orçamento de Estado estar arrumada.


P - Já não acredita na queda do Governo?

R - Deitar abaixo o Governo seria uma irresponsabilidade. Até porque, actualmente, o poder político não seduz.


P - É da opinião que está em curso uma cabala contra o primeiro-ministro José Sócrates?

R - O nosso secretário-geral é um excelente político e um bom primeiro-ministro. Até pela capacidade que tem de se opor às críticas que lhe são dirigidas. Algumas delas concretas e de extrema gravidade. Mas alguém provou alguma coisa contra ele? Nada.


P - Que comentário lhe merece a divulgação das escutas em que José Sócrates está envolvido?

R - Há escutas e escutas. Aquelas que são determinadas pelas instâncias judiciais, nada tenho sobre isso. O aproveitamento, fora desse sistema, é que acho extremamente condenável. Embora me custe dizê-lo, é um regresso ao tempo da PIDE.


P - Porque diz isso?

R - Porque exploraram uma conversa que o primeiro-ministro estava a ter com um grupo de amigos numa mesa do restaurante. Ou seja, num espaço público. Qual a necessidade dessa conversa chegar aos jornais? Repito o que disse: parece que estamos a voltar aos tempos de informadores da PIDE. Há o direito de explorar isto contra um cidadão? Isto é democrático? Perdemos o direito à nossa intimidade? Acho isto absolutamente incrível. Foi assim no passado que muitas democracias degeneraram em ditaduras

 

In: Jornal “Diário As Beiras” - 13-02-2010

António Alves

 



publicado por José Soares às 23:21
link do post | favorito

José Soares
pesquisar
 
Março 2015
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30
31


posts recentes

Metro Mondego defendido e...

Valores de Fausto Correia...

Valores de Fausto Correia...

Fausto Correia vai ser ho...

Fausto Correia

A LUSA e Fausto Correia

PS de Coimbra não recuper...

arquivos

Março 2015

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Setembro 2008

Março 2008

Janeiro 2008

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

tags

todas as tags

links
blogs SAPO
subscrever feeds