Domingo, 25 de Abril de 2010
VIVA O 25 DE ABRIL DE 1974
À medida que o tempo passa, parece que cada vez tem menos importância comemorar o 25 de Abril do já longínquo ano de 1974. Após 36 anos sobre tão significativo acontecimento, começa a perder-se na memória colectiva o seu verdadeiro objectivo. Quem se lembra bem, os mais velhos, vão desaparecendo; para os mais novos, é uma data como qualquer outra.
Não só por formação, mas também por vivência, é uma data que faço questão de recordar, não esquecendo todos aqueles que sofreram e morreram para que nós hoje possamos viver em Democracia, apesar das várias tentativas de alguns em enfraquecê-la.
Para melhor perceber quem sofreu os horrores dos ditadores, impus a mim próprio conhecer três locais: a Cadeia de Peniche, o Campo de Concentração do Tarrafal (Cabo Verde) e o Campo de Concentração de Auschwitz (Polónia). Talvez por esse conhecimento, discordo da criação dum museu a Salazar, mas concordo em absoluto que, sob a orientação e coordenação de historiadores e outros académicos, se venha a criar um museu que relembre ao País o que foi o "Estado Novo".
Como faço parte duma geração onde a liberdade não existia, a guerra colonial era imposta e íamos presos só por pensar diferente, também por isso, ainda continuo a dizer com orgulho:
 
  Viva o 25 de Abril!

 



publicado por José Soares às 00:00
link do post | favorito

Sábado, 24 de Abril de 2010
E Depois do Adeus
Paulo de Carvalho


publicado por José Soares às 14:10
link do post | favorito

Quinta-feira, 4 de Março de 2010
Primeiro queriam ouvi-los agora querem escondê-los

Não deixa de ser engraçado ouvir, por aí, alguns comentários ou ler alguns escritos de estrénuos defensores da transparência, da liberdade de informação e do escrutínio permanente e incisivo dos políticos que agora, perante o degradante espectáculo dado por alguns dos seus heróis - jornalistas, empresários, gestores, etc. -, na audição sobre liberdade de expressão, que decorre na Comissão de Ética da Assembleia da República, começarem, de mansinho, a dizer que as audições não deviam ser transmitidas em directo pela televisão, que o espectáculo é deprimente, enfim, que era melhor fazer tudo pela calada...

Muitos do que dizem isto aplaudiram, durante anos, os monólogos dos seus improváveis heróis e deliciaram-se com o ódio que estes iam bolsando. Para eles os únicos susceptíveis de escrutínio e critica, critica azeda, eram os políticos, esses sim uns verdadeiros malandros.
Aliás também são alguns destes que, por aqui, vão dizendo que foi uma medida acertada proibir os jornalistas de assistirem às reuniões da Câmara e que o Dr. Carlos Encarnação fez muito bem.
Que pena não se terem lembrado desta boa e salutar medida durante trinta anos em que não só sabiam o que se passava e as suas razões como se "divertiam" semanalmente com aqueles à partes do "Postigo".
É fantástico como muda o ângulo de visão quando nos toca ou àqueles que veneramos.
João Silva
 
In: Blogue “BOM DIA MONDEGO” - 03-04-2010
 
Comentário: Será que a transmissão pública e directa do que se passa em algumas comissões de inquéritos parlamentares, prejudica o seu efectivo trabalho, por tudo ser transmitido em directo? Não me parece, pelo que o argumento utilizado na altura de que as reuniões do Conselho de Ministros também eram vedadas aos jornalistas não me pareceu grande argumento para impedir os jornalistas de assistir às reuniões do executivo camarário.


publicado por José Soares às 18:13
link do post | favorito

Quinta-feira, 18 de Fevereiro de 2010
Censura na Imprensa

 

Sobre tudo o que se tem dito e escrito, sobre a suposta censura a um artigo de Mário Crespo, baseado numa conversa ouvida num restaurante, lembrei-me de um caso que se passou comigo, simples cidadão anónimo, descendente de Gente ainda mais anónima.

Escrevi um post a 06/Maio/2009:

 

“OBSERVAÇÃO: Durante cerca de 25 anos foi "colaborador" convidado do Diário de Coimbra. Este artigo foi publicado hoje, 51 dias depois de ser recebido na redacção. Ao fim de 35 dias, e após ver colaboradores com 3 e 4 artigos já publicados, renunciei ao estatuto de "colaborador". Por isso, a partir de agora, e se não houver qualquer evolução, os meus artigos no Diário de Coimbra passarão a ser escritos no "Fala o Leitor". Por enquanto.

Sempre disse o que pensava e não é agora que o vou deixar de fazer. Felizmente tenho a possibilidade de ver os meus artigos publicados em outros jornais locais (Despertar, Campeão, Beiras e Centro) e também nacionais, como foi recentemente o caso no Diário de Notícias, Jornal de Notícias, Focus, Noticias Magazine, Sol e Expresso.”

 

Como simples cidadão anónimo, descendente de Gente ainda mais anónima, a situação ficou assim resolvida. Fosse eu outra pessoa e seguramente que a resolução deste caso teria seguramente outro desfecho. Não acredito que haja censura em Portugal, mas tenho a certeza que também os pequenos poderes, os mais perigosos numa sociedade, não gostam de ser censurados. Infelizmente, alguns jornalistas que tanto gostam de criticar ou outros, também não gostam de ser criticados.

Claro que houve alguma gente que soube deste meu episódio. Mas quem se iria meter, correndo o risco de também ser censurado? É fácil falar em valores e princípios democráticos, mas muito mais difícil é actuar em nome dos mesmos. Assobiar para o lado é quase um desporto nacional.

O que me aconteceu no Diário de Coimbra, jamais me aconteceria no Campeão das Províncias ou no Despertar. É a minha convicção.

Também a mim me tiraram uma divisão da minha casa, onde ía guardando os meus pensamentos e as minhas ideias sobre o que observo. Mas tenho sobrevivido, graças às outras divisões da casa, onde ninguém mexeu.



publicado por José Soares às 23:55
link do post | favorito

Domingo, 14 de Fevereiro de 2010
Castanheira Barros também é candidato à liderança do PSD

 

 Castanheira Barros
 
Alguma comunicação acha-se acima da lei. Boicota quem quer e como quer, sem que nada lhe possa ser apontado. Os cobardes encolhem-se, não vá algum cortar-lhes também o pio. Nada tenho a ver com o PSD, mas acho perfeitamente inadmissível o boicote que alguns órgãos da Comunicação Social fazem à candidatura de Castanheira Barros à liderança do PSD. Também ele está no terreno há muito tempo e a escassas 300 assinaturas, mas ninguém fala nele. Será por ser da província? Recuso este provincianismo da Capital. Será que Passos Coelho, Paulo Rangel e Aguiar Branco já têm as assinaturas necessárias?
Meu Caro Castanheira Barros. Sou socialista e, como tal, não tem o meu voto, mas tem a minha completa solidariedade, nem que seja provinciana.

 

Comentário recebido por Castanheira Barros:

 

Prezado José Soares:

 

Obrigado pela solidariedade que me manifestou no seu Blog Konversas face ao boicote de que está a ser alvo a minha candidatura à Presidência do PSD por parte da comunicação social de âmbito nacional ( não da comunicação social das Regiões Autónomas por onde já andei em campanha , nem da Região Centro ) facto que , evidentemente, incomoda qualquer democrata que se preze, como é certamente o seu caso a avaliar pela sua reacção, que muito louvo .

Se a razão de ser da censura de que sou objecto fosse « provincianismo da capital » ainda a coisa não era assim muito má . O problema é que esse boicote deve-se ao facto de eu ser um candidato incómodo por diversas razões :

1º- porque tenho as mãos limpas e por isso a comunicação social não vê em mim uma potencial fonte de escândalos que conduzem ao incremento das vendas  ;

2º- porque sou incómodo para o Primeiro-Ministro que tem sido levado ao colo por um segmento subserviente  da comunicação social ;

3º- porque não me deixo manipular pela comunicação social e por isso nunca serei uma marioneta nas mãos dos fazedores de notícias deste País que vivem na ilusão de que têm o poder de criar e destruir mitos a seu bel prazer ;

4º- porque não pertenço nem nunca virei a pertencer a qualquer sociedade secreta, sendo um não-alinhado que pensa pela sua própria cabeça, o que também incomoda muita gente . 

Acredito que hei-de conseguir romper com a barreira censória ainda existente e mesmo que não o consiga, resta-me a consolação de saber que vão ser os militantes do Partido e não os jornalistas a eleger o próximo Presidente do PSD.

Se desejar pode publicar este comentário, pois é meu timbre dizer sempre abertamente aquilo que penso.

Com a mais elevada consideração.

Castanheira Barros



publicado por José Soares às 19:21
link do post | favorito

Sexta-feira, 22 de Janeiro de 2010
Tenho vergonha de mim

Retrato da crise moral brasileira. Será que também se aplica a Portugal? Receio bem que sim.



publicado por José Soares às 11:00
link do post | favorito

Sábado, 2 de Janeiro de 2010
Madeira: Padre "desterrado"

 

Nada tenho a ver com a vida da Igreja na Madeira ou em qualquer outro lugar. Mas como cidadão português a viver em democracia, acho completamente inadmissível que haja pessoas que continuam a ser perseguidas por delito de opinião. A ser verdade, TODOS os órgãos de soberania deste país têm de actuar, dentro da sua esfera de competências. Começa a ser demais os exemplos de asfixia democrática no país, em especial na Região Autónoma da Madeira.



publicado por José Soares às 17:20
link do post | favorito

Sexta-feira, 27 de Novembro de 2009
Rude Golpe

 

A indignação trespassa as opiniões de muitos e muitos conimbricenses, que manifestam a sua estranheza e repúdio, pela atitude arrogante com que o Dr. Encarnação brindou em primeira mão o novo elenco do executivo municipal, com a proposta de proibir os jornalistas de assistirem a todas as reuniões do executivo municipal.

Infelizmente a mim não me surpreendeu, pois para quem conhece minimamente o politico Encarnação, só vem comprovar mais uma vez, que a máscara lhe caiu, como noutras ocasiões.

Acredito, que tenha apanhado alguns, incluindo Vereadores da maioria de surpresa, sem tempo de reacção, servindo-se da reunião do executivo municipal, como uma experiência.

Mas em política e vindo de quem vem, tudo tem um sentido, e no mínimo estar de reserva a propostas sem sentido e sem razão, obviamente tem que ser contrariadas. Assim o fiz questionando da razão de tal proposta, mas como sempre, respostas não há.

Não posso deixar de referir, que a proibição aos jornalistas de assistirem às reuniões do executivo municipal, para além de ser um acto de absoluta censura dos tempos de hoje, é um rude golpe na vida democrática de Coimbra.

São anos e anos de um acto de cultura democrática, praticado por vários Homens, que honraram a função de Presidente da Câmara Municipal, e de que Coimbra se podia orgulhar, pela saudável convivência democrática.

Desde os debates, às propostas, as posições de cada um, a opinião, a informação, o detalhe, o pormenor, tudo isso durante anos e anos, foi colocado de forma transparente, junto dos cidadãos de Coimbra, pela via da participação dos jornalistas nas reuniões da Câmara Municipal.

Não posso deixar de recordar entre muitos o jornalista João Bravo, que lá onde estiver, deverá ter tido vontade de pegar na sua caneta e escrever sobre esta posição de Encarnação, com a sua forma muito própria de transmitir a mensagem.

Lamentável, que a cultura democrática de Coimbra, seja adulterada pela vontade do actual Presidente da Câmara, que de forma tipo descartável, raciocina só em função dos seus pequenos interesses políticos. Até que precisou, participaram, agora que vai para o último mandato, descarta-os.

Por outro lado, se a posição que o Dr. Encarnação tomou, é procurar ocultar as posições dos Vereadores da oposição, e se calhar mesmo as de alguns da maioria, quanto aos da oposição está redondamente enganado, pelo menos por mim terá o mesmo posicionamento estejam ou não jornalistas, e algo me diz que naturalmente serei muito mais exigente.

Mas esta atitude, para além de mesquinha, coloca-me uma dúvida, que só o Senhor Presidente da Câmara a poderá tirar, o que duvido. O que será que virá por aí, que o Presidente da Câmara não quer que os jornalistas ouçam?

Lamentável, mais uma vez, é a palavra que utilizo para caracterizar a proposta do Dr. Encarnação, pois trata-se de rude golpe na vida democrática de Coimbra.

 

Carlos Cidade

 

Fonte: “Diário de Coimbra - 23-11-2009



publicado por José Soares às 14:27
link do post | favorito

Quarta-feira, 25 de Novembro de 2009
Câmara de Coimbra: Manifesto anti-silêncio já é petição

Um manifesto que pugna pela presença de jornalistas nas sessões da Câmara Municipal de Coimbra, em prol da “transparência autárquica”, já se transformou em petição que pode ser subscrita online.

“Atendendo ao impacto do 'Manifesto anti-silêncio na Câmara de Coimbra', que inicialmente não era mais do que uma tomada de posição cívica, senti a necessidade de criar uma plataforma de acesso geral dos cidadãos, tendente a promover a alteração da decisão da Câmara e por isso lancei uma petição que está online e que pode ser subscrita”, anunciou hoje (dia 25) o ex-vereador socialista João Silva.

A petição, que pode ser subscrita em http://www.peticao.com.pt/comunicacao-social-cmc, "não visa a derrota de ninguém, mas, fundamentalmente, a transparência da actividade da Câmara e o acesso e observação directa dos órgãos de comunicação social da tomada de decisões do governo da nossa cidade, como vinha acontecendo há muitos anos”, refere.

O texto do “Manifesto anti-silêncio na Câmara de Coimbra” é o seguinte:

«O silêncio político de uma cidade é prenúncio da sua morte.

Uma cidade que aceita que o seu governo troque a abertura e o escrutínio público pela decisão fechada, tomada entre as quatro paredes duma sala de sessões, é uma cidade que vende o futuro.

Ocultar a face sobre a forma como as decisões são tomadas em nosso nome é renegar todo um passado de abertura e transparência, é um inaceitável comportamento político redutor da qualidade da democracia e indutor da suspeição e da desconfiança.

Uma cidade onde o presidente manda e os vereadores obedecem, cozinham acordos ou dormem sobre os dossiers não é uma cidade de futuro.

Fazer da Câmara de Coimbra um bunker onde se decide em segredo, afastando os jornalistas da reuniões do Executivo, não consta de nenhuma das propostas eleitorais que sufragámos nas recentes eleições e impedir os jornalistas de assistir às reuniões da Câmara – prática seguida em sucessivos mandatos – não foi um compromisso eleitoral anunciado, nem uma intenção manifestada.

Calar vereadores e silenciar a comunicação social é um acto de medo e de censura numa cidade onde se canta liberdade.

Os signatários querem continuar a saber como decidem os eleitos locais em sua representação e não aceitam o esbulho a esse direito pelo que se manifestam: Pela transparência autárquica na sua cidade; pela presença da comunicação social nas sessões da Câmara; contra o silêncio político na Câmara de Coimbra».

Já são signatários: João Silva, Joaquim Raimundo, Maria da Conceição Freire, Manuel Moreira Claro, Nuno Filipe, António Rochette, Vitalino José Santos, António Pinheiro, Artur Fontes, Rodrigues Costa, José Reis, Osório Gomes, Luís Duarte Coelho, Mário Ruivo, Manuel Machado, José Soares, António Manuel B. Ramos de Carvalho, Júlio Loureiro, Teresa Portugal, Francisco Fachada, Ricardo Castanheira, Lusitano dos Santos, António Vaz, Catarina Martins, Carlos Cidade, Ana Pires, José Manuel Pureza, Teresa Jorge, António Sousa Ribeiro, João Maria André, Rui Bebiano, José Dias, Ernesto Costa, João Paulo Dias, Miguel Cardina, Marisa Matias, Isabel Campante, Sandra Silvestre, Hugo Dias, António José André, Helena Loureiro, António Rodrigues, Luís Sousa.

Luis Santos

In: Jornal Digital  “CAMPEÃO DAS PROVÍNCIAS” - 25-11-2009

 

 

 

Explicação de Carlos Encarnação, em vídeo retirado do Sexo e Cidade.

 



publicado por José Soares às 23:07
link do post | favorito

MANIFESTO ANTI-SILÊNCIO NA CÂMARA DE COIMBRA

Por imperativo de consciência, subscrevi o Manifesto Anti-Silêncio na Câmara de Coimbra.

Veja e assine a PETIÇÃO.



publicado por José Soares às 12:08
link do post | favorito

Terça-feira, 20 de Outubro de 2009
Mário David versus José Saramago

 

O eurodeputado do PSD, Mário David exortou José Saramago a renunciar à cidadania portuguesa, esta terça-feira, por se sentir «envergonhado» com as recentes declarações do Nobel da Literatura.

 

Comentário: Temos o direito de não gostar do homem, mas o que é que a sua liberdade de opinião sobre a religião (que já é muito antiga) tem a ver com a sua nacionalidade?

 



publicado por José Soares às 21:47
link do post | favorito

Segunda-feira, 7 de Setembro de 2009
Censura na informação

   A questão da suspensão do Jornal Nacional de 6ª Feira na TVI, veio trazer novamente à ribalta a questão da liberdade de imprensa, ou falta dela.

   Para mim, e não me referindo a este caso em particular, que tem contornos além fronteiras, é evidente que há censura na informação em Portugal, há muitos anos. Antes do 25 de Abril havia uma; depois, mais discreta e profissional, passou a haver outra. Ninguém gosta de ser criticado e são poucos os que têm poder de encaixe face à crítica.

   A questão é mais profunda. A censura existe e começa na imprensa regional. Os pequenos poderes são por vezes mais preocupantes e mais subtis, mais discretos. Há décadas que colaboro num diário em Coimbra. Quando foi publicado o meu último artigo nesse jornal? Porque razão deixei de ser colaborador? Teria sido censurado pelos pequenos poderes? E aqueles que souberam e nada disseram!? Deixaram de defender a liberdade de opinião para não perderem os seus próprios espaços de opinião? Defende-se a nível nacional e ignora-se o que se passa à nossa porta. Não há pachorra para tanta hipocrisia. 

   Cada vez leio com mais interesse as cartas dos leitores. Essas sim, genuínas, e que mostram a real opinião de quem as escreve. 

   A vida é difícil e as pessoas com voz própria são incómodas em democracia, ou melhor, para alguns democratas de pacotilha. Não aprecio o estilo Manuela Moura Guedes nem o seu jornal, mas recuso-me a aceitar o seu encerramento da forma como foi anunciado.

 



publicado por José Soares às 20:02
link do post | favorito

Sexta-feira, 12 de Janeiro de 2007
Veja as diferenças

“No dia 11 de Janeiro de 1973, os funcionários que participaram na vigília da Capela do Rato, em Lisboa, contra a guerra colonial, são expulsos da Função Pública, por decisão do Governo da ditadura”. In efemérides.

A liberdade de hoje, está mais próxima de 1973 do que de 1974.



publicado por José Soares às 14:07
link do post | favorito

José Soares
pesquisar
 
Março 2015
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30
31


posts recentes

VIVA O 25 DE ABRIL DE 197...

E Depois do Adeus

Primeiro queriam ouvi-los...

Censura na Imprensa

Castanheira Barros também...

Tenho vergonha de mim

Madeira: Padre "desterrad...

Rude Golpe

Câmara de Coimbra: Manife...

MANIFESTO ANTI-SILÊNCIO N...

Mário David versus José S...

Censura na informação

Veja as diferenças

arquivos

Março 2015

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Setembro 2008

Março 2008

Janeiro 2008

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

tags

todas as tags

links
Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds